Barra do Governo Federal

Procurar no portal

Dia do Enfermeiro: profissionais que cuidam e acolhem

Imagem: Rita Paiva, enfermeira do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) (Foto: Ribamar Neto/UFC)No dia 12 de maio foi comemorado o Dia Mundial do Enfermeiro. Em homenagem aos profissionais de Enfermagem, o Conexão destaca a história de duas enfermeiras do Complexo Hospitalar da UFC: Rita Paiva, do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), e Raquel Meireles, da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC), unidades que pertencem à Rede da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

Formada em Enfermagem pela UFC, Rita Paiva trabalha no HUWC há 25 anos, os três últimos como diretora da Divisão de Enfermagem do hospital. Rita morou em Portugal dos 4 aos 21 anos e conta que a paixão pela enfermagem começou desde cedo. "Lá, depois do nono ano de escolaridade, você já escolhe a área em que quer atuar. E eu sempre gostei do mecanismo do corpo humano; até hoje é algo que me encanta", relata.

Quando chegou a Fortaleza, aos 21 anos, fez cursinho e a escolha foi Enfermagem. "A Enfermagem nos ensina a cuidar do ser humano. Você vai com aquela pessoa até o fim; você acolhe o paciente e acolhe a família. A enfermagem está em todo o processo de tratamento e cuidado do paciente", destaca. No HUWC, Rita trabalhou durante 3 anos na assistência direta ao paciente e 11 anos na hematologia, quando passou por momentos marcantes. "Você convive muito próximo da morte e a convivência com o sofrimento do paciente é muito difícil, mas, ao mesmo tempo, muito gratificante", relembra.

Imagem: Raquel Meireles é enfermeira há sete anos na MEAC (Foto: Arquivo Pessoal)Já Raquel Meireles, enfermeira há sete anos na MEAC, conta que sempre gostou da área da saúde, mas foi influenciada nesse processo de escolha. "Minha mãe conviveu com enfermeiras e tinha uma admiração pela profissão. Então eu fiz o vestibular para Enfermagem, passei e me apaixonei", explica.

Ela atuou por mais de seis anos no Banco de Leite Humano da Maternidade e, recentemente, passou a trabalhar no Ambulatório de Adolescentes. "Trabalhando no ambulatório, atendi a uma senhora que estava voltando para uma revisão dos exames pós-parto. Quando ela entrou na sala, o rosto me pareceu familiar e eu perguntei de onde a conhecia. Ela disse que era do Banco de Leite. Ela não conseguiu amamentar o primeiro filho, que está com um ano. Já a filha, que nasceu recentemente, ela está conseguindo amamentar", relata Raquel com satisfação. Para a enfermeira, é bom saber que sua profissão pode interferir de maneira positiva na vida dessas pessoas, contribuindo para a saúde da criança e da mãe.

Fonte: Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional da UFC – fone: 85 3366 7331 / e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Créditos

© 2017 Secretaria de Tecnologia da Informação/Divisão de Portais Universitários Ir para o topo